domingo, 14 de agosto de 2016

Análise Pós-Jogo (Sport 1x0 Flamengo): A culpa é sua!


É algo natural, hoje em dia, para todo brasileiro que gosta de futebol e acompanha seu time do coração, ao vê-lo perder e jogar mal, buscar um culpado pelos acontecimentos em campo. Seja o treinador cascudo e pouco moderno, ou o jogador sem raça que não representa a imagem da torcida em campo, ou até mesmo o diretor ladrão que só está no clube para sugar as finanças até seu mandato terminar, a torcida necessita buscar um culpado e persegui-lo até onde puder. Ontem, no jogo contra o Sport, não foi diferente. Ao ver o time sendo derrotado e engolido durante toda a partida pelo time pernambucano, a torcida buscou alguns culpados, e nomes como Marcio Araujo, Marcelo Cirino, Éverton e até Willian Arão, se já não eram contestados, passaram a ser. Inclua também Zé Ricardo nessa lista.

Nesse texto, mostrarei a você que o culpado daquela partida não estava pisando no gramado da Arena Pernambuco, mas vive na sua casa todo dia e você só pode vê-lo a partir de um espelho, é você é mesmo. Quer entender o por quê? Clique no Leia Mais caso esteja vendo essa publicação na home de nosso blog, ou continue o post caso já esteja na página do mesmo.

Primeiro, precisamos entender o contexto do jogo. Tanto Sport quanto Flamengo vinham de boa sequência de jogos. A equipe nordestina vinha de uma invencibilidade de 5 jogos, tendo vencido jogos difíceis contra Grêmio e Atlético-PR nesse intervalo, enquanto o Flamengo vinha de uma invencibilidade maior, e com o seu maior rendimento durante a competição, com 6 jogos de invencibilidade, vencendo Atlético-MG e Coritiba (em PR, onde são adversários difíceis) nesse intervalo, e convencendo bastante a torcida de que era um time pronto para brigar por ares maiores no campeonato, quem sabe o título?

Com o Flamengo bastante confiante, só queremos ver um time extremamente competitivo, jogando com a linha de defesa alta, pressão no adversário o tempo todo, time compacto e buscando sempre as infiltrações e triangulações, sempre perigoso tanto nos lados do campo, quanto no meio. Mas por que isso não aconteceu? Ora, é muito óbvio, não é porque queremos algo que isso seja o correto. É claro que o torcedor vai querer ver o seu time fazendo bonito e convencendo em todos os jogos, é óbvio, mas o mais importante de tudo é vencer, não importa se for com uma finalização e um gol, vencendo o jogo por 1x0, o que importa é sair com os 3 pontos, principalmente num campeonato tão acirrado como está sendo esse Campeonato Brasileiro.


Não entendeu por que a culpa é sua? É muito simples. Quando o Flamengo jogou contra Ponte Preta, Cruzeiro e Santa Cruz, e venceu todos os três com saldo de apenas um gol em cada partida, muito se criticou a postura do técnico Zé Ricardo ao fim do jogo, por suas substituições que buscaram tornar o time mais compacto no próprio campo, consequentemente mais seguro defensivamente, buscando explorar sempre os contra-ataques. Muitos compararam o treinador do Flamengo a Joel Santana, Celso Roth, ou qualquer outro "retranqueiro" que conhecemos no Brasil, como se ele fosse um completo boçal e não entendesse basicamente nada de como montar uma equipe. Pois é, as cornetas surtiram um efeito tão grande que Zé Ricardo sentiu-se obrigado a ter de jogar de forma ofensiva em todo jogo, e este certamente foi o grande defeito da equipe nesta última partida.

Entenda o seguinte: Você tem dois laterais reservas, ambos fracos defensivamente, um time que joga com apenas dois jogadores responsáveis por armar as jogadas, completamente sobrecarregados, dois pontas que pouco criam, um atacante preso à marcação e muito distante dos meias centrais. Você quer que esse time domine o jogo? Ok, podemos culpabilizar agora o treinador por más escolhas nos 11 titulares, mas não podemos ver outros fatores que são ignorados completamente? Primeiro, gostaria de dizer que um jogo de futebol não é feito apenas com uma equipe, e um esquema de jogo não é pensado apenas com uma equipe, existe um adversário tão obstinado em vencer quando você, então por que ignorá-lo? Vamos aos fatos. Para isso, atentem-se as imagens abaixo:

Pressão da equipe do Sport na saída de Bola do Flamengo.
Após a saída errada de Pará, Rogério recupera a bola perto da área do Flamengo.
Repare como se comporta a equipe a Sport quando o Flamengo tem a bola no campo de defesa. Durante todo o jogo, a equipe da casa sufocou o Flamengo quando tentava sair jogando, e isso acelerava o ritmo do jogo da nossa equipe, o que desfazia completamente nossa ideia de jogo paciente, com troca de passes curtas e tirava a calma dos jogadores. É muito interessante notar também o estilo dos jogadores adversários. Por mais que jogue mais recuado na saída de bola, o volante Rithely ajuda bastante o time na etapa de criação, sempre se aproximando aos meias para auxiliar na armação, junto a Gabriel Xavier e Rogério, que fez a função de Diego Souza, quando o mesmo foi substituído por Edmilson. As subidas dos laterais, principalmente Rodney Wallace, que sempre se apresentava nas costas de Pará, davam amplitude e tornavam o jogo do Sport mais imprevisível, uma vez que tinham tantas ameaças ofensivas.

Mas será que é tão difícil de se desmontar completamente o sistema de Oswaldo de Oliveira? A resposta é não, e é aqui que entra a sua culpa no resultado do jogo de ontem. Basicamente, o Sport utiliza conceitos muito modernos e interessantes no seu futebol, o que vem os fazendo crescer na competição e fazer jogos importantes. É possível notar várias influências, nesse último jogo, de treinadores como Guardiola, Bielsa e Sampaoli nesse time. Todos treinadores muito ofensivos que utilizam alta pressão e linha defensiva adiantada para se manter com a bola o maior número de tempo possível, criar risco ao adversário, ao passo que se defende, pois sem a bola no pé da equipe adversária, não podem sofrer gols, mas existe defeito? Claro, e o defeito está na dupla defensiva da equipe pernambucana.

Matheus Ferraz e Ronaldo Alves são zagueiros que se destacam por sua força na bola aérea, ambos são bem altos (1,90m e 1,87m, respectivamente), porém lentos e pouco técnicos, e este é exatamente o ponto fraco que essa equipe possuía. Se o seu adversário tem uma linha defensiva alta com dois zagueiros lentos, é muito mais fácil deixá-los subir e explorar suas costas, principalmente quando um dos laterais é um atacante improvisado (Rodney Wallace). Com pontas muito rápidos, facilmente criaríamos vantagem numérica nos contra-ataques. O fato de serem pouco técnicos ajuda mais ainda, pois poderíamos pressioná-los apenas com a linha ofensiva, possivelmente podendo recuperar a bola no meio de campo com o sistema defensivo adversário desestabilizado, o que é o grande defeito desse estilo de jogo ofensivo.

O que quero dizer nesse texto não é para blindar Zé Ricardo ou qualquer jogador. Óbvio que Zé tem culpa por ter escalado mal o time, novamente, jogadores como Marcio Araujo, Willian Arão, Mancuello e Guerrero, não jogaram bem como de costume. O que quero dizer aqui é que é preciso deixar o trabalho para quem sabe. Nós torcedores temos o dever de apoiar nossa equipe, não se meter nos assuntos de alguém que sabe mais do que a gente no assunto, pois podem ter certeza que Zé Ricardo não chegou lá atoa, e não conquistou o que conquistou na base do Fla sem ter um mínimo de gabarito, é preciso deixá-lo ganhar experiência, pois sofremos por muitos anos por nunca ter um time competitivo taticamente, não podemos deixar ir embora quem está nos fazer ter.

Créditos de imagens: Canal Premiere

Um comentárioTeste:

  1. O jogo contra o Sport foi apenas um jogo que o time jogou mal, acredito que não terá outra atuação tão fraca quanto a contra o Sport. SRN e Rumo ao Hepta.

    ResponderExcluir