quinta-feira, 25 de agosto de 2016

[PÓS JOGO] Figueirense 4 x 2 Flamengo


Antes de darmos desculpas pela derrota ou culpar Zé Ricardo por ter escalado o time reserva, vamos pensar. Alan Patrick e Mancuello até outro dia eram titulares, juntos ou revezando posição. Com a chegada de Diego, um deles deve perder um pouco de espaço, mas antes da estreia do camisa 35 ambos foram jogadores importantes ao longo da temporada. Rodinei era titular até outro dia e já está disponível há três jogos e só não voltou ao time titular porque Pará está jogando muito bem. Guerrero e Arão são titulares e Cirino é do mesmo ou quase do nível da maioria dos fracos pontas (Everton, Fernandinho, Gabriel) do elenco, que costumam jogar ao menos um deles todas as partidas. Na zaga, havia defensores da entrada Juan ou Donatti no time titular, mesmo com Réver e Rafael Vaz jogando em alto nível, e claro a alteração mais pedida pela maior parte da Nação: Gustavo Cuéllar na vaga de Márcio Araújo.

Então, vamos ser honestos. Boa parte do time que entrou em campo são, eram titulares, ou são clamados pela torcida para assumirem tal posto. Mas porque o jogo do Flamengo contra o Figueirense foi tão ruim? O que pode ter dado tão errado para levarmos quatro gols e recordar atuações medonhas que ainda não tínhamos visto, desde que Zé Ricardo assumiu o comando? Vamos ao jogo dos 5 erros. Caso esteja na página principal do nosso blog, clique no leia mais e continue lendo o restante do post.

1) Zaga lenta e jogo aéreo nulo
Juan ainda é um bom zagueiro, mas necessariamente precisa de um companheiro rápido e Donatti não é exatamente esse companheiro. Aliás o argentino não se mostrou ser companheiro de zaga, talvez até um rival. Além de atabalhoado e falhar feíssimo no terceiro gol do Figueira, o gringo se mostrou nulo na bola aérea defensiva, mesmo no alto de seus 1,93 de altura.  
Toda perda de bola era um Deus nos acuda. O Figueirense podia ter feito mais gols tranquilamente, a zaga estava totalmente desguarnecida. Cuéllar não conseguiu dar a proteção devida ao miolo de zaga e Arão também não conseguiu contribuir para o setor, mas isso é assunto para outro tópico.

Uma imagem que dispensa comentários
2) Paulo Victor
Há quem diga que a inatividade foi a grande culpada por uma das piores atuações de goleiro na história do Flamengo. Inatividade não justifica as falhas grotescas de PV, mesmo as que não resultaram em gol. Uma prova disso é que o próprio goleiro costumava ter boas atuações quando entrava na vaga de Felipe anos atrás, mesmo com um tempo maior sem jogar. Parece que o Paulo Victor de 2014 não vai voltar mais, infelizmente. Desde a partida contra o Macaé no Carioca, quando Paulo bateu a cabeça na trave, ele nunca mais foi o mesmo. Não sei o que houve de fato, mas desde então seus reflexos passaram longe e o goleiraço que nos salvou em muitos momentos há dois anos atrás, parece não ter redenção.

3) Banco de reservas
Talvez aí esteja o maior erro de Zé Ricardo, que ainda será citado nesse top 5 do mal. Escalar um time alternativo não havia problema. Afinal, o time que entrou ontem no Orlando Scarpelli tinha qualidade o suficiente para derrotar o Figueirense, com todo o respeito a equipe catarinense. Apagões, jogos ruins, nenhum time está livre disso, mas deixar Diego e Damião de fora do banco, especialmente após o gol e a grande atuação que os dois tiveram contra o Grêmio, foi um erro de Zé Ricardo. Principalmente com Leandro Damião, que tem características mais de área e eficiência nas bolas aéreas, diferente de Guerrero que é um centroavante que sai bastante da área e vem demonstrando alguma deficiência no jogo aéreo.

4) Primeiro volante?
O ponto de interrogação não foi um erro de digitação. Ainda é um mistério saber onde estava o primeiro volante do Flamengo na partida de ontem, antes da entrada de Ronaldo. A intenção não é criticar Cuéllar, o colombiano mostra desenvoltura no ataque e sem dúvidas é um ótimo jogador atuando de segundo volante.

A ontem serviu de uma vez por todas para mostrar que Cuéllarnão pode jogar na vaga de Márcio Araújo. O jogo agressivo (não necessariamente violento) do colombiano não combina com a função feita por Araújo, que vem fazendo com maestria em 2016. Na partida de ontem, Cuéllar marcou muito à frente. Com 6 minutos de jogo, foi perceptível, ao ver Cuéllar dando combate em Carlos Alberto até o final, largando a sua posição de origem, deixando um espaço imenso no meio de campo em muitos momentos do jogo.

Foi justamente essa agressividade que deu um espaço imenso para o Figueirense marcar o seu primeiro gol. Cuéllar foi marcar Carlos Alberto em cima, de forma afobada, enquanto Lins recebia a bola livre, no setor que o colombiano deveria interceptar. Chiquinho também não conseguiu acompanhar Ferrugem e a disputa a disputa foi praticamente entre Lins, Ferrugem e Rafael Moura contra o bom, mas lento Juan e o limitado Donatti (não me pauto apenas nesse jogo para falar isso). Lances parecidos com o do gol aconteceram várias vezes. A impressão era que não tinha jogador para fazer o elo entre a zaga e o meio de campo até a entrada de Ronaldo.

Portanto, quem quiser que Márcio saia do time, deve pedir o menino Ronaldo de titular, que entrou bem e demonstrou muita personalidade mesmo com as condições adversas da partida.

No mapa de calor, podemos ver o espaço que nenhum dos volantes cobrir. Por "coincidência, é a faixa do campo que Márcio Araújo costuma cobrir.

5) Zé Ricardo
Nesse caso, não quero culpar o treinador, que já é extremamente cornetado de forma injusta. Esse quinto erro, atribuo ao treinador por supostamente dar ouvidos a boa parte da torcida e largar um pouco das suas convicções, que quer o torcedor goste ou não, é um fato de quem vem dando certo. Pela primeira vez Zé Ricardo escalou o meio campo dos sonhos de grandessíssima parte dos rubro negros (antes da chegada de Diego): Cuéllar, Arão, Mancuello, Alan Patrick, além de Guerrero e mais um no ataque. 

O “retranqueiro” que presa pela recomposição rápida, mesmo que para isso precise utilizar pontas limitadíssimos, mas ganha as partidas e faz o time jogar bem, resolveu "jogar para frente", como tanto foi pedido. Levou quatro gols, marcou dois, mais ou menos o que o time costuma marcar, um ou dois gols por partida. O Flamengo é um time que chuta muito mas marca poucos gols e essa característica negativa, exige que tenhamos uma defesa extremamente segura.

Por essas e outras coisas, é necessário se refletir no que está sendo criticado. Se você julga Zé Ricardo pelo jogo de ontem, pense se você nunca pediu alguma escalação parecida. Zé Ricardo pode ter atendido a um pedido massivo da torcida. Pode-se discordar de Zé Ricardo em alguns aspectos ou muitos aspectos, mas até o momento, o treinador não deve receber as duras críticas que recebe de parte da torcida.

3 comentáriosTeste:

  1. Gustavo Cuellar no lugar do Márcio Caramujo só isso que eu quero.

    ResponderExcluir
  2. Cuellar de primeiro volante não da certo, amigo

    ResponderExcluir
  3. Porque não dá certo? Quando você diz que o Cuellar errou na marcação no primeiro gol eu discordo plenamente. O Chiquinho ficou olhando o Ferrugem com a bola obrigando o Juan a marcar o Ferrugem e deixando o Donatti marcando o Rafael Moura aa distância.

    ResponderExcluir