sábado, 10 de setembro de 2016

É Páscoa!


Dia 3 de março de 1953 nascia Arthur Antunes Coimbra, a personificação da força maior da humanidade, o nosso Messias, o nosso Deus. Dia 3 de Março é considerado Natal para 35 milhões de torcedores, devotos a religião Flamenga, que também tem como padroeiro o nosso querido São Judas Tadeu.

Infelizmente a carreira dos Deuses do futebol é curta e desde que Zico parou de nos abençoar com seus passes, gols e faltas exuberantes, tivemos um de seus apóstolos, o São Júnior que permaneceu nos dando alegrias por mais algum tempo. Quando o Maestro parou, passamos por altos e baixos e até períodos sabáticos. Então, outro craque, proveniente de terras distantes apareceu. Chegou ao Brasil e antes de pisar no Rio, aterrissou em solo baiano. Ele vinha da Europa e chegara ao Vitória, adversário que derrotamos hoje, no ano de 1997. Ainda iugoslavo, Dejan Petkovic brilhou em sua passagem pelo rubro negro baiano e logo voltou para solos europeus, quando jogou pelo Veneza da Itália, até chegar em 2000 ao Flamengo.


Petkovic chegou ao Flamengo mostrando todo o seu talento e categoria, mas alguns problemas fora de campo fez com que sua passagem se tornasse um pouco conturbada até então. Até que em um certo jogo, em uma certa falta, um certo gol na final do tricampeonato Carioca em 2001, Pet imortalizou seu nome na história do Fla e foi imediatamente canonizado. Uma falta divina, um lance inacreditável. Dava até para crer que o espírito de Zico, mesmo vivo, habitou o corpo de Petkovic naquele instante. Se tornaram imagem e semelhança.

Apesar do momento mágico, Pet passou por lugares não tão abastados em sua carreira. Quando saiu do Flamengo, o ainda santo começou sua peregrinação. Passou  por lugares obscuros, em dois clubes rivais, provações que o jogador teve que passar para no futuro realizar o que lhe era destinado. Os anos se passaram e parecia que a bela história de 2001 seria mesmo um belo final.

Mas Petkovic voltaria para a Gávea em 2009, em uma negociação para lá de polêmica e a princípio para sanar dívidas que a instituição Clube de Regatas Flamengo tinha com ele. Parte dos fiéis rubro negros logo empolgaram com a notícia, outra parte ficou desconfiada. Pet já estava velho e muitos já não guardavam a mesma devoção por conta da peregrinação feita pelo jogador. Mesmo assim, todos guardavam na lembrança como se fosse há 7 minutos atrás (está sentindo o cheirinho!?) o seu belíssimo gol de falta.

Mais do que receber os débitos, Petkovic demonstrou novamente do que era feito e foi cumprir sua missão. De forma ainda mais impressionante, o jogador que estava “velho” e “acabado para o futebol”, não só encarnou o espírito de Arthur. Ele se impôs, jogou, jogou e jogou! Uma espécie de reencarnação do Deus vivo, fazendo com que os devotos do Flamengo vessem algo inédito há 17 anos.

Enfim, o Brasil era nosso de novo. Campeões brasileiro! Petkovic nos guiou e conduziu à glória. Foi nosso grande articulador, nossa inesperada e prazerosa surpresa. Pet estava morto, ressuscitou aos 37 anos e nos conduziu ao hexacampeonato. Se tornou um semideus da Nação Rubro Negra.

Pet foi uma espécie de ressurreição ou reencarnação de Zico, mesmo com o Galinho em vida. São imagem e semelhança e sem comparações entre Deus e Semideus, na religião Clube de Regatas Flamengo damos valor ao nosso Deus, nossos semideuses, santos e guerreiros.

Obrigado por tudo, e parabéns Pet! Você que foi iugoslavo, sérvio e montenegrino, é sérvio (e brasileiro também porque não) e acima de tudo rubro negro.

Hoje, 10 de setembro é o dia da "ressurreição" de Zico. Se dia 3 de Março é Natal, o dia 10 de setembro é Páscoa!

SRN

Nenhum comentário:

Postar um comentário