quinta-feira, 19 de abril de 2018

Não há treino aberto que dê jeito nesse Flamengo | Flamengo 1x1 Santa Fe


O Flamengo atual possui sérios problemas: no campo administrativo, futebolístico e no psicológico e nenhum deles é a causa exclusiva do nosso atual momento. Mas sim todos eles juntos e misturados, que em momentos de tensão se tornam ainda mais evidentes pois um resvala no outro e causam quase sempre um desastre.

O Flamengo possui falhas no administrativo pois gasta quase 10 milhões de reais  em um centroavante que mal sabe dominar uma bola ou fazer um pivô, porque gasta dinheiro em pontas e atacantes mas continua sofrer com laterais que além de complicarem o time por si mesmos ainda atrapalham outro jogadores a terem melhor rendimento. Tem um problema maior ainda que é a falta de comando e pulso firme no trato com alguns dos jogadores, que conseguem dobrar facilmente a diretoria até mesmo com inúteis estatísticas de do quanto correm em campo.

Isso acaba resvalando no campo futebolístico, pois Diego mesmo jogando mal, atrasando o jogo com suas irritantes enceradas e não acertando uma mísera bola parada contra um time que claramente possui sérias deficiências nesse aspecto continua como titular intocável. Éverton Ribeiro jogando bem é substituído e Diego jogando mal - e diga-se, errando no lance que causaria o gol - não, por quê? Não podemos afirmar nada porque estamos de fora, mas o que fica parecendo é que Diego com o passar do tempo foi aumentando seu poder no vestiário e criando uma redoma de proteção sobre si. Quem vai ter coragem de o tirar dessa redoma? Por mais quanto tempo seremos prejudicados por causa disso?

O Flamengo não possui um plano de jogo, não possui ideias do que fazer com a bola e isso é o mais preocupante e principal sintoma do quanto estamos perdidos. Todo time que se preze possui um plano de jogo, ele pode ser retranqueiro ou ofensivo demais, não importa. O mínimo que se espera é um time ter um, mas o Flamengo não tem: se resume a lançar bolas para o ataque na esperança de que Dourado encarne Paolo Guerrero e domine a bola. Só que se esse estilo de jogo já prejudicava o time com um pivô de nível como o peruano, imagine com Dourado que tem sérias dificuldades em dominar a bola? 

Mas só isso não explica o jogo de hoje ou nosso futebol apresentado nos últimos tempos, pois - justiça seja feita - após nosso gol(e mesmo antes) conseguimos criar boas jogadas e chegar com perigo. Mas aí vem a fraca parte psicológica e onde tudo começa a se misturar, pois depois de tomar o gol aos 30' o time morreu, abaixou a cabeça e as deficiências técnicas de alguns jogadores se tornavam mais evidentes e as dificuldades da equipe de conseguir criar aproximações e tabelas e furar a retranca colombiana passavam a ficar ainda mais claras.

Quando sai na frente do placar e está vencendo o Flamengo empurra suas deficiências com a barriga e embalado pelos lampejos individuais dos seus jogadores mais talentosos consegue jogar minimamente bem. Mas quando toma o empate ou sai atrás no placar desmorona e não consegue se reajustar e ir atrás do resultado. 

Ainda assim, é bom lembrar: mesmo jogando mal tivemos 3 bolas tiradas em cima da linha e criamos 10 vezes mais chances do que o Santa Fe. O jogo era pra ser fácil mas o Flamengo se complicou.

As coisas ainda não estão perdidas. O máximo que pode ocorrer nessa rodada é o River empatar em pontos e tomar a liderança do grupo. Estamos com 5 pontos, não haveria motivo para pânico: fosse qualquer clube em qualquer competição ninguém estaria preocupado. Só que não é qualquer clube, é o Flamengo. E não é em qualquer competição, é na Libertadores. E o retrospecto recente do clube nos últimos anos e o desempenho nos dois jogos em casa já liga o alerta da torcida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário